sábado, fevereiro 17, 2018

Horizonte

Nessa viagem uma das coisas que eu mais gostei e gosto de fazer é observar é o horizonte. Isso. Para mim essa visão tem um espaço que me deixa mais inspirado. Me deixa pensando que existe mais do que eu posso ver naquele momento, mas ao mesmo tempo eu sinto uma tranquilidade porque estou percebendo que tudo tem o seu lugar, ainda que esse lugar esteja limitado ao que eu possa naquele momento enxergar.

Respirar um ar fresquinho da manhã, caminhar e pensar rápido na próxima atividade é uma coisa que me faz sentir bem.

Sair simplesmente para caminhar e aproveitar o pôr do sol e ou o nascer dele é um dos momentos mais lindos e gratificantes que eu tive nessa trajetória. Você pode testemunhar com os próprios olhos que aquele sol que se foi está voltando, e o contrário também.

Todo dia é um novo dia. A vida pode ter uma trajetória que traçamos que nos faz chegar para algum lugar e nesse plano o destino se encarrega de nos fazer bem.

Às vezes eu percebo que estou tão absorto nas minhas próprias questões, nos meus próprios planos que parece que esqueço que preciso me desligar. 

Uma viagem por um longo prazo exige muita inteligência e estratégia, mas quando percebo que estou muito no automático, paro tudo, quebro a rotina e simplesmente me deixo respirar mais lentamente e observar o que está ao meu redor, o que existe de bonito nisso.

Não quero fazer parecer que sempre tudo acontece como que eu quero, porque não foi assim, mas também não posso deixar de ser grato por tudo o que aconteceu de bom, de maravilhosamente inesperado e que me ajudou mais do que eu esperava.

Isso me faz pensar no horizonte, ainda que os meus olhos vejam o que está na minha frente e isso me dê um panorama limitado, existem coisas surpreendentes além do horizonte que eu posso enxergar sempre que avanço um pouco mais, principalmente quando parece que existe um obstáculo no caminho.